Extratos vegetais reduzem estresse oxidativo e melhoram ganho de peso das aves

Captura de Tela 2016-09-28 às 15.57.43
O uso de extratos vegetais com propriedades antioxidantes, se apresenta como uma alternativa natural, eficaz e plausível para controlar o estresse oxidativo ocasionado por diferentes fatores
por Marisela Arturo-Schaan, do Departamento de P&D da Ibersan – Grupo CCPA e Gaetan Rocaboy, da Divisão de Avicultura da Ibersan – Grupo CCPA

Desde 2006 os países da comunidade européia proibiram a utilização de antibióticos enquanto promotores de crescimento. Em paralelo, um aumento dos problemas de saúde animal foi constatado nas aves.

Nesse contexto, a busca de novas estratégias nutricionais para manter a saúde e os rendimentos zootécnicos na produção avícola foi indispensável. O uso de extratos vegetais com propriedades antioxidantes (EV-AOX), se apresenta como uma alternativa natural, eficaz e plausível para controlar o estresse oxidativo ocasionado por diferentes fatores de ordem patológica, ambiental ou metabólica a que podem estar submetidas as aves.

O objetivo deste trabalho é triplo: o primeiro define, identifica e mede as consequências do estresse oxidativo nos distintos períodos de vida das aves. O segundo, avalia as propriedades biológicas e o papel benéfico que os extratos vegetais proporcionam no combate ao estresse oxidativo. O terceiro, demonstra que o suprimento adequado na água de bebida de EV-VOX (rigorosamente selecionados nos períodos mais críticos: iniciação, vacinação, transferência, na vida das aves – frangos, galinhas poedeiras e matrizes), tem um impacto positivo em nível da saúde e dos rendimentos zootécnicos das mesmas. Em efeito, o aporte de EV-AOX permite por um lado, controlar e reduzir as consequências que provocam o estresse oxidativo via diminuição da concentração dos marcadores plasmáticos de oxidação e de inflamação e aumento do status oxidante e/ou a capacidade de defesa (nível de anticorpos pós vacinação) dos animais. Por outro lado, a melhoria do estado de saúde resulta em ganho no comportamento produtivo (ganho de peso, conversão alimentar, postura de ovos) durante os momentos mais críticos da vida das aves.

Contudo, o que é estresse oxidativo?

É a tensão causada pelos radicais livres (hidroperóxidos) nos tecidos, oxidando a membrana celular (análogo à ferrugem em metais), tornando-se prejudicial quando há um desequilíbrio entre a quantidade de radicais livres (maior quantidade) e as moléculas antioxidantes (menor quantidade/concentração de enzimas, peptideos, vitaminas C e E.)

O estresse oxidativo é uma cadeia de efeitos que conduz a célula à morte, principalmente as células de defesa, ocasionando imunodeficiência.

As principais causas de estresse oxidativo são: o estresse térmico, os procedimentos rotineiros de manejo de produção (tais como mudança nas fases nutricionais/transição alimentar) e os de transferências de lotes de aves, vacinação, entre outros.

A elevada concentração dos indicadores do estresse oxidativo no sangue, podendo citar como exemplo a Glicoproteína Ácida Alfa 1, os Hidroperóxidos e o Malandialdeído, pode levar a grandes prejuízos, principalmente quando relacionamos este fator ao ganho de peso diário (GPD), mortalidade e desempenho zootécnico em geral, conforme gráficos 1 e 2.

Gráfico 1 - Ganho de Peso

Gráfico 1 – Ganho de Peso

Gráfico 2 - Hidroperóxido plasmático x mortalidade

Gráfico 2 – Hidroperóxido plasmático x mortalidade

Dentre as causas identificadas de maior impacto do estresse oxidativo nas aves, verifica-se uma correlação positiva estatisticamente significativa existente entre a presença de estresse oxidativo em pintos de 1 dia e os índices de mortalidade observados no 10º dia de vida (estudo realizado pela IBERSAN – grupo CCPA em 30 granjas comerciais de frangos na França, entre 2014 e 2015). Observou-se que, neste período de vida do animal, um nível elevado de estresse oxidativo é responsável pela redução das defesas do organismo e, por consequência, uma diminuição da resistência dos animais às agressões externas de origem multifatorial : infeccioso (enfermidade de Marek), ambiental (estresse térmico, transição alimentar, alojamento…) ou simplesmente metabólicas, como já demonstrado e publicado por diferentes pesquisadores. Todas as agressões são responsáveis por danos celulares (oxidação) ocasionados pelo aumento dos radicais lives, o que se traduz em perdas econômicas importantes dado o impacto negativo que podem provocar sobre os resultados zootécnicos (ganho de peso, consumo alimentar) e o aumento dos índices de conversão alimentar em frangos ou a redução dos índices de postura ou redução de fertilidade em aves poedeiras ou matrizes.

Em conclusão, o uso de antioxidantes provenientes de extratos vegetais via água de bebida e/ou nutrição aumenta a capacidade de eliminação de radicais e limite a peroxidação lipídica no sangue, permitindo controlar o estresse oxidativo e melhorar os resultados zootécnicos das aves, mesmo diante dos principais desafios operacionais de produção, além de ser uma solução natural, eficaz, e livre de resíduos para as proteínas de origem animal. Além disso, pode resultar em redução de problemas sanitários recorrentes nas granjas, uma vez que quando as defesas antioxidantes são inadequadas, pode ocorrer a deterioração das funções fisiológicas, resultando em doenças.